TV Câmara

Liberdade religiosa, um direito violado

Ao subir na Tribuna da Câmara Municipal, na sessão do dia 23 de abril, para agradecer o reconhecimento que ele e outras lideranças religiosas receberam, durante a entrega de homenagens da XI Semana das Religiões de Matriz Africana, o Babalaô José de Ogun contou uma história sobre a importância de estarmos juntas(os) na luta pela liberdade religiosa, um direito constitucional. A metáfora dizia que um rei, ao saber que suas terras sofreriam um ataque, preparou os soldados para a defesa. Na hora do confronto metade da tropa permaneceu firme enquanto a outra começou a guerrear entre si. “Parem! O verdadeiro inimigo não somos nós, mas sim aquele que se aproxima!”, alertou o rei, conseguindo, em tempo, reverter a confusão e vencer a batalha. “Quem é o nosso verdadeiro inimigo? Onde está o dragão que destrói as nossas casas religiosas?”, questionou o Babalaô antes de pedir a benção de, seu pai, Ogun e encerrar a fala reivindicando união e o fim da intolerância religiosa.

Os dragões que as(os) adeptas(os) do candomblé, da umbanda, do batuque e demais religiões de matriz africana precisam enfrentar perpassam desde o preconceito social até barreiras institucionais, como quando órgãos ambientais multam Casas e Terreiros sob a alegação de barulho. “Os tambores conversam com as entidades, o som que emitem não é ruído, como enquadra a lei”, afirma o vereador Profº Lino Peres (PT), criticando o isolamento acústico que a Floram determina para esses ambientes. Nesse sentido, o mandato do vereador Lino defende a urgência em estabelecer um regramento que contemple as especificidades dos povos tradicionais, permitindo assim que suas práticas sejam exercidas e respeitas em todos seus princípios.

Na sessão em que o branco de Oxalá prevaleceu sobre o cinza dos ternos parlamentares, e o Hino da Umbanda tocou depois do Hino Nacional, as homenageadas do mandato do vereador Profº Lino Peres foram a Ialorixá Maria Francisca de Sousa e, in memorian, Gessy da Silva, representada por Agnes de Ogun. Após a solenidade, ocorreu o lançamento do livro “Mitologia dos Orixás Africanos: história, cultura e religiosidade”, escrito por Giovani Martins. Aliás, um exemplar está disponível para empréstimo na biblioteca do Espaço Milton Santos, dentro do gabinete do vereador Profº Lino Peres, no 5º andar da Câmara Municipal de Florianópolis.

Crédito de imagem: Danielle de Paula e Édio Hélio Ramos